Leilão de saneamento em Alagoas marcado para setembro atrai gigantes do setor

Publicado em 20 de Agosto de 2020

No próximo dia 30 setembro, na Bolsa de Valores de São Paulo, B3, o mercado de infraestrutura brasileiro estará de olho em Alagoas.

Essa é a data marcada para o primeiro o leilão de concessão dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário da Região Metropolitana de Maceió -- que atenderá 1,5 milhão de habitantes, quase a metade da população de Alagoas (estimada em 3,3 milhões) que mora na capital e mais 10 cidades próximas de Maceió. 

Desenvolvido pelo Governo de Alagoas em parceria com o BNDES, o leilão será o primeiro grande teste do interesse dos investidores pelo mercado de saneamento. Em tempos de pandemia e incerteza econômica, será que haverá, de fato, disputa pelo contrato de concessão do Estado?

Segundo apurou AGENDA A, ao menos até agora, o leilão está, sim, atraindo o interesse de grandes empresas do setor no país. 

Entre as interessadas, estão empresas de economia mista como a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo, a Sabesp, que atende mais de 26 milhões no Estado de São Paulo (incluindo a capital e mais 370 cidades do Estado), como grupos privados que já atuam no país como a Aegea (que atende 47 cidades em todas regiões do país), Grupo Águas do Brasil (com 12 concessionárias em 14 cidades brasileiras), BRK Ambiental (do grupo Odebrecht, que atua em mais de 180 municípios de 12 Estados), a GS Inima Brasil (que já atua em Maceió em parceria com a Casal via a Saneamento Alta Maceió, Sanama, responsável pela construção e operação do sistema sanitário para 300 mil pessoas da parte alta da capital), Iguá (que além de já atender o agreste alagoano, atua em São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Mato Grosso), entre outras. 

Além dos grupos de saneamento, outras empresas, como a Equatorial, que já atua em energia em Alagoas, também já demonstraram interesse em ingressar na área de saneamento via consórcio com empresas com expertise na área.

A pouco mais de um mês do leilão (o prazo final para apresentação de propostas para o leilão no dia 30 de setembro termina no dia 25), resta saber se o alto interesse do mercado se traduzirá também em alto valor de lances. De acordo com o edital, o valor mínimo da outorga (preço que o concessionário deve pagar para ter o direito de explorar a concessão) é de pouco mais de quinze milhões (R$ 15.125.000).


 



  • Ideias
  • Agenda A ideias é um espaço plural discussão de temas comprometidos com a melhoria do ambiente de negócios e da qualidade de vida dos alagoanos.

  •  
  • Turismo
  • Vídeos

© AGENDA A 2013. All rights reserved