Para além do rodízio: Maceió volta a ter opções de comida asiática de alto padrão; confira

Publicado em 10 de Janeiro de 2017

Com raras exceções, os restaurantes japoneses em Maceió parecem seguir um mesmo ciclo: nascem, crescem, aderem ao sistema rodízio e... começam a declinar, já que não há milagre possível para servir com abundância uma gastronomia que exige apuro técnico e ingredientes frescos e de alta qualidade. (Não à toa, marcas de varejo como o Palato acabaram se tornando uma das mais fortes localmente nesse mercado).

Nos últimos meses, contudo, novos empreendimentos no Estado voltaram a apostar na gastronomia asiática de alto padrão - para além dos rodízios e temakerias.

O primeiro deles, aberto em novembro passado mas já consolidado, é o Ásia Bistrô, na Ponta Verde (na esquina por trás do salão Fios de Cabelo) - que, como diz o próprio nome, tem uma proposta que vai além do cardápio “restaurante japonês padrão”. Sim, os sushis, sashimis e niguiris estão presentes, mas são servidos e apresentados com um cuidado especial numa sequência de 18 peças “premium” de menu desgustação acompanhado de um sunomono (R$ 90). Entre os outros destaques da cozinha comandada pelo chef Jaino Lins, estão a surpreendente barriga de porco agridoce (que sai por R$ 50, cozida com mel, shoyu e saquê), o Noodles thai de frutos do mar (R$ 65, macarrão tailandês ao shoyu com lula, camarão, atum e temperos que dão um toque picante ao prato), além de drinks criativos como Wassabi Sour, à base de gengibre, sprite e um toque da pasta wassabi. “Nossa ideia é unir, com criatividade e qualidade, o melhor da comida oriental com as melhores técnicas da gastronomia ocidental”, diz o empresário Matheus Vilela, à frente da casa.

Com previsão de abertura para o final de janeiro, outro restaurante que terá principal missão elevar o padrão de qualidade do sushi em Maceió é o Hatsu Izakaya, que será localizado na Ponta Verde, no Maceió Facilities (no lado oposto da Le Brulé café e doceria). Comandado por Sarah Cavalcante Andrade, o novo restaurante contou com a consultoria do chef Artur Nagae e terá como sushiman Roger Lima, que trabalhou no Ohka, em São Paulo. Segundo a proprietária, o restaurante com apenas 28 lugares terá uma proposta intimista e apostará no conceito japonês de menu degustação (conhecido como Omakase) – em que um grupo de pessoas (inicialmente 8, com reserva antecipada) são servidas no balcão diretamente pelo sushiman - que prepara na hora as peças que serão degustadas. “Queremos oferecer uma experiência de degustação do que há de melhor na tradição nipônica para os nossos clientes”, diz Sarah. “Por isso mesmo, contaremos com um espaço menor que nos permita servir nossos clientes com toda a qualidade e atenção possível”.

Enfim, uma boa notícia para quem valoriza os detalhes do sabor, apresentação e até mesmo ritual da gastronomia asiática – que andavam um tanto ofuscados em meio aos barulhentos rodízios no Estado.



  • Ideias
  • Agenda A ideias é um espaço plural discussão de temas comprometidos com a melhoria do ambiente de negócios e da qualidade de vida dos alagoanos.

  •  
  • Turismo
  • Vídeos

© AGENDA A 2013. All rights reserved