SEBRAE
Alagoas, Quinta, 19 de Outubro de 2017
  • Enviar e-mail
  • Facebook

Alagoas será cenário de filme estrelado por Gaby Amarantos; veja entrevista com diretor

Publicado em 25 de Agosto de 2017

Ele já está em Maceió em busca de locações para seu primeiro longa-metragem que terá a cantora paraense Gaby Amarantos no papel de uma cantora de forró que anda pelo sertão matando pessoas.

Aos 42 anos (17 deles em São Paulo estudando e trabalhando com cinema), o cineasta alagoano René Guerra decidiu voltar ao Estado natal para filmar “Serial Kelly”, uma espécie de “comédia-western-sertaneja” que terá locações em Maceió e em cidades do sertão alagoano e coprodução entre a Bananeira Filmes e a Globo Filmes.

“Quando rodamos pelo sertão para a pesquisa do filme, vieram à tona muitas memórias afetivas das histórias que ouvia do meu avô, que foi caminhoneiro”, diz o alagoano, adiantando que 80% do elenco do filme será de atores de Alagoas.

Em meio à busca de locações em Fernão Velho, René falou com AGENDA A sobre o novo filme e como enxerga a nova geração de jovens cineastas alagoanos.

AGENDA A: Uma cantora de forró serial killer? Como você definiria seu primeiro longa?

René Guerra: O filme é uma espécie de comédia western ambientada no sertão. Mistura humor e violência em um ambiente lírico e surreal.

Um "Tarantino sertanejo"?

Não (risos), guardadas as proporções, diria que estaria mais inspirado nos filmes dos Irmãos Cohen, algo como um "Fargo sertanejo". Enfim, um filme que trata de forma lírica e bem humorada temas como a violência, o papel da mulher. Só o fato de a personagem ser uma “serial killer”, em terra onde homens assassinos são chamados de pistoleiros ou matadores, já levanta um pouco essa diferença de tratamento, ainda que de  forma bem humorada.

Quando as filmagens começam e quais cidades de Alagoas servirão como cenário?   

As filmagens devem começar já em setembro. Estou agora mesmo em Fernão Velho, em busca de locações, e já passamos por Piranhas, Água Branca e outras cidades próximas no Sertão, como Paulo Afonso, na Bahia. Boa parte do filme também terá Maceió como cenário.

Você contará com atores alagoanos no elenco?

Estimo que, no total, cerca de 80% do elenco seja daqui de Alagoas, incluindo atores como Igor Araujo, que terá um papel central, e atrizes como Ane Oliva, Ivana Iza, entre outros grandes profissionais.   

Você iniciou a carreira no teatro em Maceió e há 17 anos foi estudar e fazer cinema em São Paulo. Na busca de cenários para locações na sua volta ao Estado, o que mais lhe chamou a atenção?  

O cinema é sempre uma construção de imagens e olhares afetivos sobre paisagens. Nesse momento, estou descobrindo locações em Fernão Velho, descobrindo paisagens novas e outras que fazem parte da minha memória. Cada vez que volto a Maceió, claro que percebo diferenças, algumas melhores e outras nem tanto. De um lado, a orla cada vez mais bonita. Do outro, a periferia com os mesmos contrastes sociais. E o cinema traz sempre essa oportunidade de ver sua terra e sua cidade por outros pontos de vista, como, por exemplo, o cinema pernambucano tem feito muito bem nos últimos anos.

Em comparação ao cinema pernambucano, que ganhou projeção nacional e até internacional nos últimos anos, como você enxerga o potencial do cinema alagoano?

São histórias diferentes e não acho que seja possível comparar. Alagoas teve, na década de 1970, o surgimento de um cinema experimental em super 8, liderado por talentos como Celso Brandão, teve também todo o movimento em torno do Festival de Penedo. E agora temos uma geração de cineastas jovens talentosos que conseguem produzir e mostrar outros olhares sobre a Alagoas em mostras importantes, como a Mostra Sururu de cinema. Nesse momento de transição e incerteza na política nacional, é precisão garantir, no entanto, que os recursos cheguem aos artistas. É um absurdo que alguns cineastas locais que já venceram editais ainda estejam aguardando resposta sobre quando poderão receber os recursos. Enfim, acredito que essa sagra safra de cineastas talentosos abre uma janela de oportunidade única para o cinema local, que precisa ser apoiado com urgência.

Qual a preivisão de lançamento do filme?

Com o início das filmagens em setembro, acredito que o filme deve estar pronto para ser lançado exatamente daqui a um ano.  



  • Ideias
  • Agenda A ideias é um espaço plural discussão de temas comprometidos com a melhoria do ambiente de negócios e da qualidade de vida dos alagoanos.

  •  
  • Turismo
  • Vídeos

© AGENDA A 2013. All rights reserved