Alagoas, Terça, 17 de Jul de 2018
  • Enviar e-mail
  • Facebook

Com peça em Maceió sexta e sábado, Tonico Pereira fala a AGENDA A sobre “hipocrisia brasileira”

Publicado em 11 de Maio de 2018

por Rodrigo Cavalcante

Não havia, claro, nem TV Justiça nem jornais diários na Atenas de 399 A.C., quando Sócrates foi julgado e condenado à morte por acusações vagas como a de corromper a juventude.

Na falta de um relato mais preciso (o próprio condenado não deixou nada escrito), resta-nos textos clássicos como A Apologia de Sócrates, de Platão, cuja versão (adaptada aos palcos por Ivan Fernandes) chega a Maceió nesta sexta e sábado no Teatro Deodoro, às 21h, com o ator Tonico Pereira, em seu primeiro monólogo em mais de 50 anos de carreira.

Na pele de Sócrates, Tonico, mais conhecido de várias gerações por personagens cômicos marcantes da TV como Zé Carneiro (da primeira versão de O Sítio do Picapau Amarelo) ou, mais recentemente, Mendonça (de A Grande Família), inclui citações da política e do judiciário brasileiro no texto e não hesita em fazer um paralelo com alguns julgamentos atuais. “É um texto atual que combate a hipocrisia e tem muitos paralelos com julgamentos recentes do país”, diz o ator, sem temer se expor contra julgamentos como o que resultou, recentemente, na condenação de Lula, a quem já manifestou apoio.

AGENDA A: no texto de Platão, Sócrates, ao se defender em seu julgamento, faz questão de revelar a hipocrisia daqueles que os acusam. Você fez questão de incluir citações ao Judiciário e políticos brasileiros no seu texto, o que parece um paralelo inevitável com recentes julgamentos da Lava Jato. Você considera hipócritas os julgamentos levados a cabo pela Lava Jato?

Sem dúvida, esse paralelo existe. O texto de Platão sobre o julgamento de Sócrates revela as reais motivações e hipocrisias que estão por trás de um julgamento. E nesse momento político brasileiro acho esse tipo de reflexão é essencial. Não apenas sobre a condenação de Lula, mas sobre hipocrisias por trás do julgamento de outros líderes. Acredito que Marielle, por exemplo, assim como outros líderes, como Martin Luther King, também foram condenados pela sociedade.

Nesse caso, sentenciados...

Exato, sentenciados sem nem direito a julgamento. O que também não deixa de ser uma condenação.

Você não teme, ainda mais neste momento de polarização, ter seu trabalho associado ao de um militante político com retaliações daqueles que pensam diferente de você?

Esse é um risco que quem a gente sempre corre, não apenas à direita, mas à esquerda também. Houve um momento no início da carreira, no Rio em que, do nada, sofri represálias da esquerda apenas porque fiz uma crítica a um espetáculo de esquerda que não gostei. Daí militantes de esquerda foram se queixar e um cara chegou e me disse que eu não ia nunca mais trabalhar com eles. Falei para ele, tudo bem, não tem problema, a direita vai me pagar (risos). Foi quando fui para Globo (risos). Só porque não gostei de um espetáculo. Não tenho compromisso de gostar de um espetáculo que não gostei por ser de esquerda. Acho que apesar de existir, sim, algumas retaliações, nem sempre claras, não tive muito esse problema porque, como já disseram de mim, sou uma espécie de borralheira. A borralheira pode estar toda f..., discriminada, mas ela é sempre útil. Acho que meu trabalho é útil e acho esse texto sobre Sócrates é muito útil também para desnudar hipocrisias disfarçadas de politicamente correto.

Você já chegou a dizer que, nessa era do politicamente correto e de polarização política, nem imagina como seriam recebidos autores como Nelson Rodrigues...

Isso mesmo. Se o Nelson Rodrigues já levou porrada décadas atrás, imagine hoje. O politicamente correto é uma m... Vou até te confessar uma coisa. Quando montei esse espetáculo no Rio, comprei até um bastão de baseball, para ficar comigo, por precaução (risos). Vai que alguém decide fazer um movimento contra minha pessoa? Não quero ser pego desprevenido (risos). 

 

Serviço

O Julgamento de Sócrates
Local: Teatro Deodoro
Data: 11 e 12 de Maio
Hora:  21 horas
Elenco: Tonico Pereira
Ingressos: R$ 84,00  (inteira) e R$ 44,00 (meia). Meia entrada válida para estudantes, professores, pessoas acima de 60 anos, associados à OAB e Ingresso Solidário (meia entrada + 1kg de alimento não perecível).
Vendas: Viva Alagoas, Folia Brasil e Acesso Vip
Vendas online: www.lojadeingresso.com
Produção Local: G A Produções e Eventos
Informações: 3032-5210 ou 99601-2828



  • Ideias
  • Agenda A ideias é um espaço plural discussão de temas comprometidos com a melhoria do ambiente de negócios e da qualidade de vida dos alagoanos.

  •  
  • Turismo
  • Vídeos

© AGENDA A 2013. All rights reserved