Instituto de pesquisa da Ufal passa a integrar maior rede de inovação industrial do país

Publicado em 27 de Maio de 2020

A Universidade Federal de Alagoas recebeu esta semana uma boa notícia que deve posicionar a pesquisa do Estado em outro patamar na relação com a indústria.

Com aval do Ministério da Educação (MEC), um grupo do Instituto de Computação da Ufal, o Centro de Inovação Edge, foi credenciado pela Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii, espécie de Embrapa da inovação industrial), criada em 2013 para aproximar as empresas dos centros de pesquisa e fomentar o desenvolvimento da inovação e da competitividade do segmento.  

Na prática, o credenciamento do Instituto de Computação da Ufal traz ao menos dois resultados.

O primeiro é a projeção nacional do instituto e da pesquisa na Ufal já que, ao ser reconhecida e credenciada pela Embrapii, passa a aparecer no radar das instituições brasileiras aptas a desenvolver pesquisas de ponta para empresas ao lado de instituições de peso como a Coppe, da UFRJ, o CESAR, em Pernambuco, Fundação Certi, Santa Catarina, entre outros.

A segunda é financeira: como a Embrapii, vinculada ao Ministério da Ciência e Tecnologia e ao MEC, costuma entrar com um aporte de 30% em projetos para as pesquisas desenvolvidas nos centros de pesquisas cadastrados, isso facilitará muito a captação de recursos do setor privado para a universidade.

“A aprovação do Polo Embrapii da UFAL é uma grande conquista não apenas para a comunidade acadêmica, como para todo o Estado de Alagoas”, diz o reitor Josealdo Tonholo.  “Apesar da UFAL já ter tradição no desenvolvimento de projetos tecnológicos em setores como petróleo e gás, por exemplo, liderado pelo Laboratório de Computação Científica e Visualização (LCCV/CTEC), ou via o Programa Melhoramento Genético de Cana de Açúcar (RIDESA/CECA), o novo polo focado em computação industrial abre a possibilidade de desenvolver parcerias com empresas dos mais diversos setores, da construção civil até empresas de Biotec ou Eletrônica”, diz o reitor.

De acordo com o professor e pesquisador de Computação da Ufal Willy Tiengo, um dos criadores do Centro de Inovação Edge ao lado do professor Rodrigo Paes, o polo permitirá a ampliação da capacidade de atendimento de empresas. Segundo o pesquisador, em cinco anos de atividade, o centro já captou cerca de R$ 15 milhões via parcerias com empresas, incluindo multinacionais como Exxon e Corning, em projetos que incluem aplicação de inteligência artificial, redes neurais profundas para reconhecimento de imagens, internet das coisas, entre outras.

“O credenciamento tem tudo para criar um novo circulo virtuoso ao permitir que os alunos desde cedo entrem em contato com projetos de solução de problemas reais da indústria”, diz Willy Tiengo. “E isso nos permitirá reter ao menos parte de talentos formados na Ufal que terão mais chances de trabalhar com pesquisas de ponta no próprio Estado”.

2jNbw6hw=XxEy}%&



  • Ideias
  • Agenda A ideias é um espaço plural discussão de temas comprometidos com a melhoria do ambiente de negócios e da qualidade de vida dos alagoanos.

  •  
  • Turismo
  • Vídeos

© AGENDA A 2013. All rights reserved